Comício da Central

“Desgraçada Democracia a que tiver que ter que ser defendida por esses democratas”

Com a temperatura política cada vez mais aquecida, os sindicalistas e o governo de João Goulart marcaram um comício para o dia 13 de março de 1964, marcou-se um comício no Rio de Janeiro, em frente à Central do Brasil. Ali, o próprio presidente da República que falaria à população. A pauta seriam as reformas de base.

O discurso de Jango foi longo, e o povo, convocado por entidades sindicais como a CGT e organizações como a UNE, compareceu para prestigiar a fala de Jango. No palanque, havia vários comunistas. Inclusive o deputado Marcio Antonio Tavares Coelho, do comitê. Na plateia, estavam o professor Fernando Henrique Cardoso e seu amigo, José Gregori. No meio da multidão, o PC e outras organizações de esquerda exibiam suas faixas e cartazes: “Legalidade para o PCB”, “Viva Cuba”, “Fora os yankees”, e outras do tipo.

Foi noticiada a confecção de cerca de três mil faixas, três milhões de volantes, duzentos mil tablóides sobre reformas e muitas bandeirolas. Calcula-se que cerca de duzentas mil pessoas se concentraram na praça, e esperaram treze discursos de oradores diversos para ouvir o presidente da República.

Dentre os presentes no palanque, estavam Leonel Brizola e Miguel Arraes, mesmo com as desavenças: todos sabiam que os dois não se davam. Uma semana antes do comício, o Semanário – jornal de caráter nacionalista – fazia uma apelo aos dois políticos:

Deixemos de lado as nossas divergências para discutir na intimidade de nossos colóquios.

Brizola fez um discurso inflamado, como sempre. Interagindo com a massa, pedia posicionamento político firme, que fosse capaz de cobrar do governo ações políticas que defendessem unicamente os interesses do povo brasileiro:

Querem que continue a política de conciliação ou preferem um governo nacionalista e democrático? Aos que desejam um governo nacionalista e democrático, peço que levantem as mãos. As palavras de Arraes seguiram a mesma linha das de Brizola, posicionando-se ao lado do povo, e dele exaltando o poder: Enganam-se os que pensam poder enganar o povo. Hoje o povo exige, na praça pública, definições e atos concretos. […] O povo exige a liquidação dos privilégios, em benefício da maioria da nação. Só assim poderemos marchar para a liquidação dos monopólios.

Ambos foram ovacionados. José Serra também o foi. Presidente da União Nacional dos Estudantes, de cima do palanque, ele pregava a expulsão dos imperialistas. Como era de se esperar, no entanto, o auge do comício se deu quando o presidente Jango se posicionou em frente ao microfone.

Situando a democracia no campo popular, Jango se posicionou também a favor de uma mudança constitucional:

A Constituição atual, trabalhadores, é uma Constituição antiquada, porque legaliza uma estrutura socioeconômica já superada; uma estrutura injusta e desumana. O povo quer que se amplie a democracia, quer que se ponha fim aos privilégios de uma minoria; que a propriedade da terra seja acessível a todos; que a todos seja facilitado participar da vida política do País, através do voto, podendo votar e podendo ser votado; que se impeça a intervenção do poder econômico nos pleitos eleitorais e que seja assegurada a representação de todas as correntes políticas, sem quaisquer discriminações, ideológicas ou religiosas.

As reformas de base foram o tema mais abordado pelo presidente. Jango noticiou sua assinatura de um decreto que dava início à reforma agrária, cuja lei empacara no Congresso. Segundo ele, o decreto era “uma porta que se abre à solução definitiva do problema agrário brasileiro”. Dentro de 60 dias, a lei seria posta em prática, prazo que seria respeitado em função da “colaboração patriótica e técnica das nossas gloriosas Forças Armadas”.

Dentro de dois dias, o presidente se comprometia também em enviar ao Congresso a mensagem presidencial do ano, na qual seriam expressas as intenções e metas do governo, marcadas por um viés social, tendo como mote a melhoria de condições de vida e trabalho dos brasileiros. A transferência de refinarias particulares para as mãos governamentais também foi exaltada por Jango: “A partir deste instante, as refinarias de Capuava, Ipiranga, Manguinhos, Amazonas e Destilaria Rio-Grandense passam a pertencer ao povo, passam a pertencer ao patrimônio nacional”.

Jango tinha consciência de que, com aquele discurso, rompia com sua política conciliatória e se mostraria mais sensível às demandas populares. Na manhã do dia do comício, afirmou a um entrevistador:

Hoje eu vou correr todos os riscos. O máximo que pode me acontecer é ser deposto. Não renunciarei nem me suicidarei.

Diante da observação do repórter, que entendia não ser necessários renúncia ou suicídio naquela conjuntura política, o presidente respondeu:

Eu sei. Apenas estou imaginando o pior que pode me acontecer, depois de minha decisão de promover as reformas e obter maiores poderes do Congresso. Mas nada acontecerá porque meu dispositivo militar é excelente. Assis Brasil me garantiu que, ao meu comando, o Exército me seguirá… Doravante, governarei somente com o apoio do povo. E o que todos verão hoje [no comício] é que o povo mudou. Eles despertaram, estão maduros para os grandes problemas do país.

Durante o resto do mês, Jango ainda contaria com o apoio das Forças Armadas. Na verdade, o presidente só se daria conta de que elas não estavam com ele pouco antes de ser deposto pelo golpe. O comício foi considerado uma afronta à Constituição pela ala mais conservadora dos militares. Mourão Filho, figura que depois se empenharia fortemente na deflagração do Golpe, diz em suas Memórias ter sido no comício que o presidente João Goulart “pusera a cabeça de fora”. O general mineiro Carlos Luís Guedes, outro militar envolvido no golpe, concluiu que, após o comício é que era hora de as Forças Armadas se empenhassem em atacar o presidente.

Também os políticos conservadores se posicionariam contra à postura presidencial manifesta no comício. Diante do sucesso do evento, logo após seu término, Carlos Lacerda falou à Tribuna da Imprensa, acusando Jango de ter furado a barreira da Constituição:

O comício foi um assalto à Constituição, ao bolso e à honra do povo. O discurso do Sr. João Goulart é subversivo e provocador, além de estúpido. O candidato furou ontem, a barreira da Constituição. O pavor de perder o controle sobre as negociatas e escândalos de toda a ordem, que abafa com sua autoridade presidencial, fê-lo perder a cabeça. Esse homem já não sabe o que faz. […] A guerra revolucionária está desencadeada. Seu chefe ostensivo é o Sr. João Goulart, até que os comunistas lhe dêem outro. Triste foi ver as forças de segurança nacional, a pretexto de que o Sr. João Goulart é o seu comandante-em-chefe, ficarem de sentinela para o ato totalitário de ontem. Acho que o Congresso deve levantar-se e defender o que resta da liberdade e da paz neste País. Então as Forças Armadas compreenderão o que o povo já sentiu: que acima das ambições e leviandades de uma pessoa ocasional estão a Constituição e a paz do povo brasileiro.

Impossível encarar o comício de Jango como fato isolado, não relacionado aos episódios políticos que aconteceriam durante todo o mês. No comício da Central, Jango manifestou seus principais objetivos como presidente da República, que pelo forte apelo popular ameaçava a ordem, tão apreciada pelos políticos e militares conservadores. Saindo do centro, Jango se colocava cada vez mais diametralmente oposto à direita, o que acelerou ainda mais a articulação do golpe, e a consequente tomada de poder pelos militares.

Bibliografia

ANDRADE, Auro de Moura. Um congresso contra o arbítrio: diários e memórias (1961-1967). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

GUEDES, Carlos Luís. Tinha que ser Minas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1979.

MORAES, Dênis de.A esquerda e o golpe de 64. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1989.

MOURÃO FILHO, Olympio. Memórias: a verdade de um revolucionário. Porto Alegre: L&PM, 1978.

SILVA, Hélio. 1964: Golpe ou Contragolpe? Porto Alegre: L&PM, 1978.

STEPAN, Alfred. Os militares na política. Rio de Janeiro: Editora Artenova, 1975.

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Episódios

Episódios

A morte de Vladimir Herzog

Vladimir Herzog morreu no dia 25 de outubro de 1975, durante uma sessão de tortura, na rua Tomás Carvalhal, 1030,...
Leia mais
Episódios

AI-5

Quinto de uma série de decretos emitidos pelo regime militar, o Ato Institucional nº5 é diferente dos demais. Tido como...
Leia mais
Episódios

Anistia

No dia 2 de abril de 1964, o jornalista Austregésilo de Athayde publicou um artigo no Diário da Noite, pedindo...
Leia mais
Episódios

Atos institucionais

O instrumento utilizado pelos militares para impor a nova ordem foram os atos institucionais. Era uma forma de dar alguma...
Leia mais
Episódios

Brasil Nunca Mais

Em 1979, um grupo de religiosos e advogados iniciou um projeto extremamente ambicioso: obter junto ao Superior Tribunal Militar, em...
Leia mais
Episódios

Censura

A censura não se instalou nas redações imediatamente após o golpe militar. Grande parte dos jornais apoiava o movimento. Os...
Leia mais
Episódios

Comício da Central

“Desgraçada Democracia a que tiver que ter que ser defendida por esses democratas” Com a temperatura política cada vez mais...
Leia mais
Episódios

Congresso de Ibiúna

“Dirceu – cabelo comprido, barba por fazer, olhar cansado –, disse a seu velho rival na disputa pela liderança na...
Leia mais
Episódios

Diretas Já

Desde que o primeiro ato institucional permitiu a eleição indireta do marechal Castello Branco, as diretas passaram a fazer parte...
Leia mais
Episódios

Eleições de 1982

As primeiras eleições diretas para governador após o golpe militar ( e a parcial de 1965) aconteceram em 15 de...
Leia mais
Episódios

Exílio

O golpe militar acabou com o governo de Jango e jogou centenas de governistas na oposição. Ao mesmo tempo, a...
Leia mais
Episódios

Frente Ampla

Calros Lacerda, ex-governador da Guanabara e participante ativo do golpe de 1964 logo se desencantou com o regime militar, que...
Leia mais
Episódios

Generais no poder

João Baptista de Oliveira Figueiredo foi o último general a chegar à presidência da República na ditadura. A ele caberia...
Leia mais
Episódios

Golpe de 64

30 de março de 1964, madrugada. Em Juiz de Fora, o general Olympio Mourão Filho, prestes a se aposentar, ouviu...
Leia mais
Episódios

Greves do ABC

Na edição de primeiro de abril de 1964, o Jornal do Brasil informou que Comando Geral dos Trabalhadores decretara greve...
Leia mais
Episódios

Legalidade

Eleito vice-presidente para o período 1956 a 1960, João Goulart se reelegeu para o cargo, que assumiu em 1961. Obteve...
Leia mais
Episódios

Luta Armada

Foi Leonel Brizola quem primeiro tentou derrubar a ditadura de 1964 pelas armas. Chegou mesmo a estabelecer um contato direto...
Leia mais
Episódios

Maria Antônia

Quem passasse pela rua Maria Antônia, no centro de São Paulo no dia 2 de outubro de 1968, seria surpreendido:...
Leia mais
Episódios

MDB e Arena

O golpe militar de 1964 não acabou imediatamente com os partidos políticos existentes, muito embora o primeiro dos atos institucionais...
Leia mais
Episódios

Morte de Edson Luís

Relatório das circunstâncias da morte de Edson Luiz Dados PessoaisNome: Edson Luis de Lima SoutoCidade: (onde nasceu) BelémEstado: (onde nasceu)...
Leia mais

Personagens

Personagens

Dante de Oliveira

Desde que o primeiro ato institucional permitiu a eleição indireta do marechal Castello Branco, as diretas passaram a fazer parte...
Leia mais
Personagens

Franco Montoro

Filho de um tipógrafo descendente de italianos e de uma dona de casa descendente de espanhóis, André Franco Montoro nasceu...
Leia mais
Personagens

João Figueiredo

João Baptista de Oliveira Figueiredo foi o último general a chegar à presidência da República na ditadura. A ele caberia...
Leia mais
Personagens

José Dirceu

Aos 22 anos, o líder dos estudantes paulistas era mineiro, mas nem um pouco discreto. Do teto de um ônibus...
Leia mais
Personagens

Leonel Brizola

Nasceu Brizola, mas não Leonel: até um ano e três meses sua mãe, Onívia de Moura Brizola, só o chamava...
Leia mais
Personagens

Lula

Luis Inácio da Silva nasceu no dia 27 de outubro de 1947 numa pequena casa rural com a uma légua...
Leia mais
Personagens

Mário Covas

Mário Covas Júnior nasceu no dia 21 de abril de 1930, em santos, no litoral paulista. Filho de um português...
Leia mais
Personagens

Miguel Arraes

Único filho homem e o caçula dos sete irmãos, Miguel Arraes de Alencar nasceu em 15 de dezembro de 1916...
Leia mais
Personagens

Paulo Evaristo Arns

Ele chefia oito bispos, 2.100 sacerdotes, quase 300 paróquias, 4.000 freiras pertencentes a 124 organizações e meia centena de grupos...
Leia mais
Personagens

Tancredo Neves

Quinto dos doze filhos de Francisco de Paula Neves, um misto de comerciante e político com Antonina de Almeida Neves,...
Leia mais
Personagens

Teotônio Vilela

Um dos dez filhos de um bem sucedido proprietário rural, o alagoano Teotônio Brandão Vilela nasceu em Viçosa no dia...
Leia mais
Personagens

Ulysses Guimarães

Primeiro dos cinco filhos da professora Amélia Correa Fontes e do coletor de impostos Ataliba Guimarães, Ulysses Silveira Guimarães nasceu...
Leia mais