Cuidado com o crédito consignado

Paulo Markun para o blog Em Tempo, da Folha de S.Paulo

 

Nos próximos dias, os aposentados devem ser bombardeados com todo tipo de oferta de crédito consignado por parte dos bancos. Quem recebe uma pensão do INSS está na mira das instituições financeiras que, nos últimos anos, usaram e abusaram de todo tipo de ass;edio, na tentativa de comprometer parte da renda mensal dos idosos brasileiros com empréstimos de todo gênero.

A farra recebeu um breque importante em 28 de dezembro passado, quando o INSS publicou uma instrução normativa pondo ordem na zorra. Mas com um detalhe  – o prazo de 90 dias para que as novas regras entrassem em vigor.

O resultado é que nos últimos dias, tem se multiplicado os alertas. Vale registrar que o crédito consignado tem juros menos escorchantes que os do cheque especial ou do cartão de crédito, pela simples e clara razão de ter um risco mínimo de inadimplência, já que as parcelas são descontadas antes do vivente receber seus caraminguás.

Há poucos dias, um juiz da 29ª Vara Cível de Belo Horizontesuspendeu a comercialização de cartão de crédito consignado pelo Banco BMG, sob o argumento de que a empresa estava oferecendo o mimo por telefone a idosos, aposentados e pensionistas, descumprindo uma determinação judicial que vetara a prática há mais de dez anos. O banco recorreu e na segunda instância, a desembargadora Shirley Fenzi Bertão autorizou a comercialização, alegando que a proibição prejudicaria a principal atividade comercial do banco e os consumidores. Manteve, contudo, a multa de R$200 mil  pelo descumprimento de ordem judicial, limitando-se a R$ 100 milhões, relativo a qualquer produto relacionado a cartão de crédito consignado a idosos, aposentados ou pensionistas via telefone.

O INSS aproveitou o embate para relembrar em nota, que “nenhum órgão, empresa ou pessoa física tem autorização para efetuar qualquer atividade de marketing ativo, oferta comercial, propostas ou firmar contratos de empréstimo pessoal com pagamento mediante desconto direto no benefício em nome do INSS”.
Isso não impede que muitos aposentados continuem a ser assediados pelo banco, antes mesmo de receber a primeira parcela de sua aposentadoria, num indício claro de que há um ou muitos vazamentos do banco de dados da instituição.

Portanto, olho vivo. Empréstimo, só quando for realmente necessário e depois de examinar direitinho as regras do jogo.

Sobre o autor

Escrito por

Jornalista profissional desde 1971, já foi repórter, editor, comentarista, chefe de reportagem e até mesmo diretor de redação em emissoras de televisão, jornais e revistas. Leia mais...

Comente neste post